3 Tishri 1792

A Rabbanit Devora Leah, filha do Admor Hazakene mãe do Tsemach Tsedek deixou este mundo.

3 Tishri 1792

Tsom Guedalya 5553-1792

A Rabbanit Devora Leah, filha do Admor Hazakene mãe do Tsemach Tsedek deixou este mundo.

O ano de 5552 foi particularmente difícil para o Admor Hazaken. Durante muitos meses, desde Roch Hashana de 5552-1791 até Shavuot, os membros de sua família, o Admor Haemtsahi e os Chassidim mais próximos não souberam dos grandes sofrimentos que ele passava, por causa das perseguições dos oponentes à Chassidut.

Durante a reunião Chassidicade Shavuot, o Admor Hazaken mostrou grande amargura. Seus lábios sussurravam e lágrimas escorriam de seus olhos. Os Chassidim deduziram que ele rezava e implorava por D’us. Todos sentiram nesse momento a presença do Baal Shem Tov e do Maguid de Mezeritch.

De repente, o Admor Hazaken se levantou e disse, soluçando:

“Meu avô e mestre, implorem a misericórdia divina por mim, por vossos discípulos, por aqueles que são ligados a vocês, por seu ensinamento. Meu D’us, tenha então piedade de nós”.

Em seguida, ele desmaiou.

As pessoas presentes ficaram muito chocadas. Os membros da família, a Rabbanit e suas filhas, vieram e chamaram urgentemente Yona, o médico. O Tsemach Tsedek, que era ainda uma criança de dois anos e nove meses, entrou nesse momento no quarto. Vendo seu avô amado estendido no chão ele se jogou em cima dele e gritou: “Vovô! Vovô!”

O Admor Hazaken abriu os olhos e viu seu neto estendendo-lhe os braços e dizendo:

“Vovô! Vovô! Segure minha mão e levante-se”.

Ële disse então:

Me dê a mão.

Ele se levantou e disse: “Este nos consolará”.

Durante dezoito anos, de 5534-1774 a 5552-1792, o Admor Hazaken fez don de si próprio para formar e guiar os Chassidim Chabad. Mas, houve uma acusação contra o tribunal celeste e o Admor Hazakenprecisava então de intercessores, capazes de invocar a misericórdia divina. Ele tinha por isso nomeado emissários perto do túmulo do Baal Shem Tove do Maguid de Mezeritch.

No final do Shabat Sei’hot, antivéspera de Rosh Hachana, o Admor Hazaken chamou alguns Chassidim idosos e mostrou a gravidade da acusação feita. Il avait tout lieu de pensar, disse que durante Rosh Hachana 5553, a acusação originalmente feita contra a Chassidut, seria então feita contra ele. Ele pediu então que implorassem pela misericórdia de D’us e viessem ajudar seu filho, o Admor Haemtsahi enquanto ele deveria, por sua vez, conduzir os Chassidim e a Chassidut.

A Rabbanit Devora Lea, filha do Admor Hazaken e mãe do Tsemach Tsedekficou sabendo do que seu pai tinha revelado aos Chassidim mais próximos. Ela decidiu então oferecer sua vida no lugar de seu pai e se perguntou de que maneira ela conseguiria.

Em Rosh Hashana, depois da reza de Mincha, a Rabbanit Devora Lea entrou na pequena sinagoga na qual estavam os membros da família do Rabbi e os discípulos mais próximos, lendo os Tehilim. A Rabbanit Devora Leafoi em direção da arca santa, abriu-na e anunciou: Vocês são todos testemunhas de que diante desses santos Sifrei Tora, eu me empenho, eu, Devora Lea, filha de Shterna, com consciência clara, faço o sermão de dar a minha vida no lugar da vida de meu pai, o Rabbi Shneor Zalman, filho de Rivka, a fim de que ele continue vivo.

“Na primeira noite de Rosh Hashana, depois da reza, o Admor Hazaken saiu e se perguntou onde estava Devora Lea. Quando ele a viu ele disse: “Seja inscrita...”. Mas, ele não pode continuar por que ela lhe cortou a palavras e disse ela mesma: “Seja inscrito e scellé para um bom e doce ano. Pai, não diga mais nada.”Ela não deixou que ele acabasse sua bênção.

No dia seguinte, segundo dia de Rosh Hachana, o Rabbi comentou a Chassidutaté a o final da festa. Depois da Havdala, ele chamou a Rabbanit Devora Lea e seu marido, o Rabbi Shalom Chachna em seu escritório. O Rabbi Shalom Chachma se tint perto do muro e, chorando, disse, se referindo a seu filho, o Tsemach Tsedek:

“O que fazemos com uma criança que tem apenas três anos? Ainda mais tal criança!

“Desde o segundo dia de Rosh Hachana, a Rabbanit Devora Lea ficou doente e no dia seguinte, no dia 3 Tishri 5553-1792, jejum de Guedalya, ela deixou este mundo, conservando seus espíritos até o último instante.

O último pedido que ela fez a seu pai foi de elevar seu filho único e de tomar conta dele. O Admor Hazaken lhe prometeu e disse:

“Teu filho Menachem é meu consolo. Ele será também o seu e de Israel inteiro.”

Os Chassidimmencionavam o nome da Rabbanit Devora Lea com um temor e um respeito particulares. Cada um sabia que, pela sua grande nobreza da alma, ela tinha salvado a vida do Rabbi.

A Rabbanit Devora Lea tinha vinte e seis anos quando deixou este mundo. Ela está enterrada em Lyozna.

(Sefer Hatoldot Admor Hazaken)