Tem 10 dias para se arrepender

Pedir perdão ao outro, sinceramente

OS DEZ DIAS DE ARREPENDIMENTO

Os dois dias de Rosh Hashaná, os sete dias seguintes e finalmente, Iom Quipur, fazem um conjunto de dez dias especialmente propícios para a Teshuvá, voltar-se para D’us. Logo depois de Rosh Hashana acontece o jejum de Guedalia que comemora o assassinato trágico de um grande chefe do nosso povo durante o exílio da Babilônia.

Na véspera de Iom Quipur, fazemos uma refeição festiva para mostrar nossa confiança na misericórdia Divina. Outro bonito costume deste dia consiste na bênção que os pais dão aos seus filhos. Iom Quipur nos absolve dos pecados cometidos contra D’us, mas não dos cometidos contra o nosso próximo. É por isso que é importante procurar, na véspera de Iom Quipur, o perdão daqueles que podemos ter ofendido para apagar ressentimentos a que pudemos dar origem.

IOM QUIPUR

Apesar dos “dias de temor”, como os chamamos com frequência, serem solenes, eles não são tristes. De fato, Iom Quipur, o dia mais sagrado do ano, é, de certa maneira, um dos mais felizes. É que em Iom Quipur recebemos o que pode ser o dom mais sublime de D’us, Seu perdão. Quando um homem outorga seu perdão, ele expressa um sentimento profundo de amizade, de amor, que apaga na sua relação com o outro, os efeitos do mal sofrido. O perdão que D’us nos outorga é a expressão do seu amor eterno e incondicional. Apesar de termos transgredido Sua vontade, nossa essência, nossa alma, permanece Divina e pura. Iom Quipur é este dia único do ano em que D’us revela mais claramente a unidade da Sua Essência com nossa alma; esta alma pela qual os judeus se encontram verdadeiramente numa posição de igualdade e de individualidade: quanto mais sabemos mostrar esta unidade essencial, agindo com amor e fraternidade, mais D’us, Ele próprio, nos revelará, em Sua plenitude, Seu amor.

AS LEIS DE IOM QUIPUR

Além das atividades proibidas em shabat, cinco atividades específicas são proibidas em Iom Quipur, São elas: comer e beber; perfumar-se, maquiar-se ou untar-se com loções; ter relações conjugais; tomar banho e usar sapatos de couro.

Em Iom Quipur estamos livres de qualquer preocupação material: podemos então consagrar o dia todo à oração. Começamos o serviço da noite com o canto de “Col Nidrei” que nos absolve dos votos que poderemos fazer durante todo o ano próximo. Em cada uma das grandes orações de Iom Quipur, fazemos o “Vidui”, a confissão que cita os pecados que podemos ter cometido e pedimos o perdão Divino. A última oração deste grande dia, enquanto o julgamento está a ponto de ser selado, se chama “Neilá”. A Neilá é o único ofício de todo o ano que cumprimos diante da Arca aberta, como estão também bem abertas, nesta hora, as portas do céu. A Neilá culmina com a proclamação do Chemá Israel pela comunidade, bem como de outros versículos, em uníssono, e finalmente pelo último toque de shofar.